Resenha: O Símbolo Perdido

3 comentário(s)

“Um arco-íris brilhante se projetava a partir desses personagens, guiando o olhar de Langdon para George Washington, que subia aos céus em forma de uma nuvem. A grande promessa do homem que se torna Deus”.

O Símbolo Perdido provavelmente não é a melhor obra de Dan Brown. Sua trama fica um pouco abaixo das surpresas de O Código Da Vinci ou Anjos e Demônios, mas, mesmo assim, é uma grande obra, de um autor já consagrado e querido por muitos (apesar de também criticado ocasionalmente).
Eu, particularmente, adoro as histórias de Brown, e, mesmo não tendo nesta seu melhor momento, ainda assim, considero O Símbolo Perdido um livro fascinante e super recomendado a quem gosta de investigações, romances históricos e uma narrativa detalhada.
Robert Langdon, nosso bom e querido personagem, é o protagonista de mais esta história que, sim, envolve maçonaria, seitas, religiosidade, personalidades históricas e, claro, símbolos.
O professor de Harvard é convidado por seu amigo Peter Solomon a dar uma palestra. Porém, quando chega ao local, coisas estranhas começam a acontecer e ele descobre que não há palestra alguma.
Era uma armadilha.
Solomon foi sequestrado e Langdon foi envolvido, já que o sequestrador quer que ele realize uma certa tarefa.
O doentio sequestrador (muitas de suas cenas são assustadoras) deseja encontrar um Símbolo Perdido, que carrega a promessa de desvendar os maiores segredos da humanidade. E ele acredita que Langdon é a pessoa certa a ajudá-lo, guiado pela lendária Pirâmide Maçônica e pelo seu conhecimento de simbologista.

“Bem, professor, para alguém que alega não ter a menor ideia do que está fazendo aqui... o senhor está se saindo muito bem até agora”.

Como a maioria dos livros de Brown, aqui também nos vemos rodeados por pontos históricos importantes, principalmente da capital norte-americana, o que torna a leitura ainda mais fascinante.
O final do livro é bem pensado e chega a ter algumas revelações impactantes, mas, acima de tudo, faz considerações polêmicas sobre religião x ciência, e traz uma lição muito bonita sobre a , que faz com que reavaliemos nossas próprias crenças.


Trecho: “Primeiro, passaram pelo pórtico da Rotunda, depois desceram uma escadaria de mármore e, em seguida, andaram na direção contrária à que tinham vindo, atravessando um portal largo para entrar na célebre sala que ficava logo abaixo do chão da Rotunda.
A Cripta do Capitólio. O ar ali era mais pesado e Langdon já estava se sentindo claustrofóbico. O teto baixo da cripta e a luz suave que vinha dele acentuavam a circunferência robusta das 40 colunas dóricas necessárias para sustentar o vasto piso de pedra diretamente acima de suas cabeças. Relaxe, Robert.”


Informações:
Título: O Símbolo Perdido
Autor: Dan Brown
Gênero: Suspense
Editora: Arqueiro
Páginas: 489

Borboletas azuis:





Obs: Estou super ansiosa para ler o novo livro do autor, também com o personagem Robert Langdon, "Inferno".

3 comentários:

Fabrica dos Convites disse...

Oi Fabiane, sou fã do autor e gostei muito dos livros dele que já tive oportunidade de ler. Este infeliamente ainda não tive o prazer.
Bjs, Rose

Vitor Stefânia disse...

Olá,
Nunca li esse livro, mas todos falam muito bem dele, meu irmão já leu, e eu pretendo ler em breve.
http://svlivros.blogspot.com.br/

wwwfotografeimasnaopostei disse...

Fabi, gostei da forma descontraída e precisa que usou para a resenha.

Saudades

Santa Rosa

Postar um comentário