Resenha - A garota que perseguiu a lua

7 comentário(s)

Livro fofo e simplesmente perfeito para quem procura uma leitura leve e de puro entretenimento.
A garota que perseguiu a lua é repleto de magia e mistérios, romances açucarados e luzes fantasmagóricas.
A jovem Emily perdeu a mãe e teve que se mudar de cidade para viver com o avô, o único parente vivo que lhe resta. Isso poderia ser um fato triste, porém normal, se não fosse o fato de que o vovô Vance era, na verdade, um gigante. E, principalmente, se a cidade para a qual ela estivesse se mudando não fosse... Mullaby.
Alguns dirão que a protagonista da história é a doce Emily. Eu discordo. A personagem principal da trama é a própria Mullaby.
A cidadezinha do interior, famosa pelos festivais de churrascos e pelas luzes fantasmagóricas, acaba se revelando o maior trunfo da história, com sua atmosfera tão bem construída e seus mistérios tão bem delineados, que podemos nos sentir ali, vendo as luzes que aparecem no quintal de Emily pela noite.
Falando em luzes, elas fazem parte da mitologia e do mistério da cidade (e de seus personagens), e a autora explorou muito bem o suspense, soltando as informações na hora certa – o resultado disso é que o livro prende do começo ao fim.

“A luz ainda está lá! Ela saiu correndo atrás, entrou pela área de mata do mirante. A luz rapidamente se retraiu e ela ouviu passos na folhagem. Passos?” (Pág. 51).

Mas, além do mistério e da adaptação de Emily à sua nova – e estranha – vida, há o romance. Comecemos citando o da própria Emily, vivido por ela e Win, um rapaz que além de se vestir de forma inusitada e ser filho do prefeito, desde o começo parece ter uma estranha ligação com Emily, e saber muito mais sobre o passado da jovem que ela mesma.
Também não se pode deixar de citar a Julia, uma confeiteira, que estudou com sua mãe e, além de também ter informações sobre o passado de Emily (como todos na cidade, aparentemente), traz más recordações do seu próprio.
Passado, passado, passado... Sempre assombrando Julia, Emily e Mullaby.
A história de Julia é forte e ela é uma das personagens de maior destaque na trama, chegando a ter quase tanta importância quanto Emily. Claro, se iniciei esta parte da resenha falando de romance, vocês podem esperar muito disso quando se trata de Julia.
Ah, falando em romance e passado, não é que vovô Vance também merece ser citado?

“Se ela fosse uma cor, seria verde. Se fosse um aroma, teria o cheiro de papel novo. Ela era feliz e inteligente e não tinha medo de nada” (Pág. 85).

A garota que perseguiu a lua é um livro para todas as idades e gostos, visto que mistura diversos gêneros. A escrita é fácil, em terceira pessoa, e a narrativa, dinâmica. A revelação vem em boa hora, e o final é meigo como toda a história, com direito a surpresinhas.
O relacionamento entre Emily e os demais personagens – Julia, Win, vovô Vance – são também um ponto alto da trama, visto que todos são carismáticos.

“Podia ser alto o suficiente para enxergar o amanhã, mas ele não olhava nessa direção há muito tempo. Esquecera-se o quanto era radiante. Tão radiante que ele mal podia suportar” (Pág. 226).

Não se pode finalizar esta resenha sem que se destaque a edição maravilhosa do livro. A capa, a diagramação com detalhes fofos, tudo é mágico no livro, assim como a própria história. O chato é quando chega o final e você percebe que o papel de parede do seu quarto não muda de figura, assim como o de Emily. Livros bons têm o poder de fazer isto: levarem-nos a perceber que a vida real pode ser chata... principalmente quando não se vive em Mullaby.

Trecho: “Estou sempre com saudade de casa – ela disse sem olhar para ele. – Só não sei onde é minha casa. Há uma promessa de felicidade por aí. Eu sei disso. Até a sinto às vezes. Mas é como perseguir a lua: bem na hora em que você acha que a tem, ela some no horizonte” (Pág. 175).


Informações:
Título: A garota que perseguiu a lua
Autora: Sarah Addison Allen
Gênero: Romance, Fantasia
Editora: Planeta
Páginas: 240


Borboletas azuis:



7 comentários:

Fabrica dos Convites disse...

Oi Fabiane, é bem isso que eu sinto quando olha para esta capa, uma leitura leve e cheia de magia e mistério. Ainda não o li, mas quero ler em breve.
Bjs, Rose.

J.F Silva disse...

Esse livro está me fazendo perseguir os sites de livrarias isso sim! Estou louca para ler e depois da sua resenha... Ai ai!

Beijos!!!
@Juliana_Barnes

Fabiane Ribeiro disse...

Oi meninas!
Obrigada pela visita, fiquei muito feliz que tenham gostado da resenha!!

A leitura é mágica mesmo!

Ju, vc vai amar o livro!!! rsrsrs


beijão!!!

Cris Aragão disse...

Adoro quando a editora é tão cuidadosa com os livros que publica, demonstra respeito pelo leitor e consideração pelo trabalho do autor.

Maristela G Rezende disse...

Amei a resenha. Gosto de livros leves cuja leitura é rápida mas com conteúdo. ainda não li o livro e espero fazer isso em breve.

Jessica disse...

MINHA AMIGA FALO QUE É MUITO LÇEGAL ESSE LIVRO E GOSTEI DA RESENHA

Michela Delgado disse...

Estou louca para ler esse livro; me apaixonei por essa capa, me sinto cercada por mágia.
Amei a resenha, mas fiquei com mais e mais vontade de le-lo.
Obrigado
Beijos

Michela

Postar um comentário