Resenha: Querida Sue

3 comentário(s)

“As emoções são tão fugazes quanto as noites serenas”

Quando eu solicitei à Editora Arqueiro o livro Querida Sue para ser uma das minhas resenhas do mês, jamais imaginei que me depararia com um dos livros mais lindos que já li.
Um romance contado através de cartas ao longo de décadas, e que precisa enfrentar não apenas o tempo, como também a distância, a sociedade e outros desafios.
Como já dito, a narrativa toda acontece por meio de cartas e, em poucos casos, por meio de telegramas que os personagens trocam.
Começamos com a primeira carta enviada para Elspeth, uma poetiza que vive na Ilha de Skye, na Escócia, vinda de David, um jovem norte-americano, que se tornou fã da escritora após ler seus poemas. Animada ao receber a carta de um fã, ainda mais de uma terra longínqua, Elspeth responde prontamente e, de forma descontraída, eles começam a trocar cartas sem nem mesmo se darem conta.
É nítido que há uma curiosidade e um encantamento entre eles logo nas primeiras correspondências que trocam, porém, vão se tornando cada vez mais íntimos com o passar do tempo, e começam a trocar confidências e a revelarem segredos de seus corações que jamais haviam revelado a ninguém. Mesmo que um oceano esteja entre eles.
As primeiras comunicações trocadas por David e Elspeth acontecem antes do início da Primeira Guerra Mundial. E, com o tempo, essa Guerra acaba sendo um fator decisivo tanto na aproximação ainda mais intensa quanto nas dificuldades que o casal passa a enfrentar.
Paralelamente, em capítulos alternados, vemos também os desdobramentos da vida de Elspeth anos mais tarde, agora durante a Segunda Grande Guerra. Já não vivendo mais na Ilha de Skye, e tendo apenas a companhia da filha Margaret, restam grandes mistérios do que aconteceu em sua vida no período entre as guerras. O destino de David e como suas vidas se separaram vai sendo destrinchado ao longo das cartas, ao mesmo tempo em que voltamos ao passado e conhecemos tudo sobre o romance que viveram.
Na década de 40, quando um ataque destrói a parede do cômodo em que Elspeth estava com a filha, todas as cartas que a poetiza guardara de David são espalhadas, o que faz com que Margaret questione a mãe sobre seu passado e acabe entrando em uma investigação por meio de cartas para saber o que aconteceu com o norte-americano e por que eles haviam se separado.
O livro possui inúmeras passagens emocionantes, românticas e divertidas, e ainda nos mostra pinceladas dos horrores que se passaram nos períodos de guerra. O grande charme, sem dúvidas, é a narrativa por meio de cartas, que torna a leitura bastante inusitada e dinâmica. A autora ainda soube trabalhar bem com as mudanças da voz narrativa dos textos e com as alternâncias de tempo que ocorrem entre os capítulos. Durante a leitura nada fica confuso.
Os personagens são muito bem desenvolvidos, é quase como se as cartas que eles trocam fossem reais. E a história em si é de uma beleza delicada e singular, muito bem construída e com reviravoltas que nos prendem o tempo todo.
Os cenários da Europa, e sobretudo da Ilha de Skye, a forma como David e Elspeth – sua Sue – viveram seu romance, com encontros e desencontros, e a forma como tudo se une em um final maravilhoso, não sairão da minha memória tão cedo.

Trecho: “Querida Sue, estou com a sua foto escorada num apoio em cima da escrivaninha, enquanto escrevo esta carta e tento imaginar você ao lê-la quando ela chegar. A sua descrição não lhe fez justiça. Acho que não preciso dizer quanto você me parece encantadora. Mas, agora que vi sua fotografia, entendo por que seu pai achou que você parecia uma fada adormecida no jardim” (Pág. 92).

Informações:
Título: Querida Sue
Autora: Jessica Brockmole
Gênero: Romance, Drama
Editora: Arqueiro
Páginas: 256

Borboletas azuis:



Agradecimentos à editora Arqueiro, por ceder o livro para o blog. Saiba mais sobre ele clicando aqui.

3 comentários:

Eloaraa disse...

Nossa, gamei só de ler essa resenha... com certeza vou ler o livro, romance histórico em tempos de guerra, tudo de bom *___*

Dani Kaulitz disse...

Gostei muito da resenha, me deixou curiosa. Gosto muito de livros onde a estória é narrada através de cartas e este parece ser muito bom, com uma estória linda. Parece ser mesmo um romance cativante, fiquei com vontade de ler também. :)
beijos

Fabiane Ribeiro disse...

Oi meninas!
Obrigada pela visita. Amei saber que gostaram da resenha e que pretendem conferir o livro, ele é realmente lindo!
Um beijo

Postar um comentário