Resenha: Corações Feridos

4 comentário(s)

“A semana foi se desbotando, cinza, preta e marrom. O céu fora da janela era de concreto, tão duro quanto o desgosto. Gostaria de saber para onde fora o verão: talvez o sol tivesse morrido também”.

Meu caso com “Corações Feridos” é de amor à primeira vista.
Sabe aquele livro pelo qual você se apaixona desde que ouve falar? Pois é, um dia eu ouvi dizer que havia um livro de uma escritora inglesa, chamado Black Heart Blue, e achei a sinopse e o título tentadores; já senti vontade de ler. Então, vi a capa e que seria lançado no Brasil pela Novo Conceito, portanto eu poderia solicitar um exemplar de cortesia para resenha. Parece que tudo colaborou para que eu lesse esse livro. E isso me fez pensar em uma frase que me falaram há um tempo: “São os livros que escolhem você, e não o contrário”. Você já sentiu isso quando entrou em uma livraria ou biblioteca? Aquele título que, aparentemente sem razão alguma, salta frente aos seus olhos e parece chamá-lo... Bem, foi isso que aconteceu entre mim e Corações Feridos, ou, em seu título original, Black Heart Blue.
E nesses casos, as expectativas são tão altas, que corremos o risco da decepção. Esta não veio.
Confesso que no começo achei a leitura um pouco parada e demorou alguns capítulos para que eu me acostumasse com a história. Porém, quando abri meu coração, os personagens me conquistaram, e foram conquistando cada vez mais. Sinto muito que o livro tenha terminado, eu queria continuar a acompanhar certas pessoas dessa história tão linda, capaz de fazer-nos sorrir ou derrubar lágrimas quando menos estamos esperando.
O livro é dividido em duas partes. A primeira delas (bem maior que a outra) é narrada em dois tempos: os capítulos se alternam entre o presente, contado pela gêmea Rebecca, e o passado, narrado por sua irmã Hephzibah. A segunda parte é toda narrada por Rebecca.
As irmãs são gêmeas, porém, Rebecca nasceu com a Síndrome de Treacher Collins, uma anomalia genética que causa deformidade facial. Portanto, seu rosto é muito diferente (vale a pena pesquisar a respeito da síndrome, mesmo que seja rapidamente pelo Google, tanto para compreender melhor a intensidade da narrativa de Corações Feridos, como para conhecer e respeitar as pessoas diferentes, as quais machucamos, mesmo que sem querer, em nosso cotidiano, com nossos olhares tortos e nossos julgamentos sussurrados). Hephzi, por outro lado, é uma jovem muito bonita e logo ganha a atenção de amigos e de um garoto especial quando elas vão para a escola pela primeira vez, aos dezessete anos.
O motivo de as irmãs nunca terem ido a uma escola antes, não terem vida social, roupas novas, e uma vida normal em qualquer sentido, é um segredo obscuro que se esconde dentro da casa delas. Seus pais mantêm as aparências de uma vida tranquila e devotada à religião, mas a realidade é bem diferente disso. A vida das gêmeas é de sofrimento, segredos e brutalidades.
E justamente esses segredos causam a morte de Hephzibah.
Quando a narrativa começa, Hephzi já havia morrido, mas ainda há muito a ser revelado sobre isso, nos capítulos que se alternam narrando o “antes” e o “depois” de sua morte.
Esse livro é recomendado a todos, sendo ele capaz de nos refletir sobre muitos aspectos da vida. Fiquei extremamente comovida em várias partes da narrativa e sinto que ela é aquele tipo de história que pode mudar um pedacinho da gente, e, consequentemente, um pedacinho do mundo.

Trecho: “Gravei o dia de hoje em minha memória como mais um dia negro, e está lá, uma dura história inscrita em meu coração. As histórias que tenho escondidas dentro de mim; se você pudesse abrir-me, leria a verdade. Olhe para dentro, retire a pele, a carne e os ossos e encontrará uma biblioteca de sofrimentos. Talvez você me peça para explicar. Eu sou, antes de tudo, a curadora desse passado. Mas algumas coisas são terríveis demais para serem contadas, e essas palavras estão enterradas profundamente. Essas são palavras que eu nunca sussurrei nem mesmo à minha irmã, essas são palavras que eu não ouso pronunciar em voz alta. Eu gostaria de que elas não chorassem nas paredes do meu quarto  ou me caçassem nos meus sonhos” (Pág. 12).

Informações:
Título: Corações Feridos
Autora: Louisa Reid
Gênero: Drama
Editora: Novo Conceito
Páginas: 256

Borboletas azuis:




Agradecimentos à editora Novo Conceito, por ceder o livro para o blog. Saiba mais sobre ele clicando aqui.


4 comentários:

Fernanda Bizerra disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fernanda Bizerra disse...

Nossa já li tantas resenhas livro...todos falam bem dele..quero muito ler.

Beijos Fê
http://fernandabizerra.blogspot.com.br/

Fabrica dos Convites disse...

Também adorei este livro, uma das melhores leituras do ano.
Bjs, Rose.

Jullyane Prado disse...

Aaaah eu estou completamente apaixonada por esse livro, preciso muito ler!!!

byjullyaneprado.blogspot.com

Postar um comentário